Quando o TCU pode decretar indisponibilidade de bens?

Como sabemos, os Tribunais de Contas são órgãos que auxiliam o Poder Legislativo no controle externo das contas públicas.

Muito já se escreveu sobre a importância das Cortes de Contas e suas atribuições, contudo, recentemente, o STF, por meio da 2ª Turma, legitimou, mais uma vez, com a chancela da constitucionalidade, a possibilidade de decretação de indisponibilidade de bens de pessoa representada junto ao TCU e, mais, sem manifestação prévia da parte prejudicada.

EBEJI

1. O que fez o TCU?

O Ministério Público Especial junto ao Tribunal de Contas da União representou, junto ao TCU, a fim de apurar a existência de dano ao Erário, gestão temerária e ato antieconômico decorrentes da aquisição da refinaria americana Pasadena Refining System Inc. (PRSI) pela Petrobras America Inc. (PAI), subsidiária integral da Petróleo S.A. (Petrobras).

Nos autos do TC 005.406/2013-7, o TCU decretou, sem oitiva das partes prejudicadas, a indisponibilidade de bens de várias pessoas responsáveis pelos atos representados pelo MPEjTCU, pelo período de um ano.

EBEJI

2. O que fizeram os representados?

Os prejudicados, portanto, ajuizaram Mandado de Segurança no Supremo Tribunal Federal requerendo a nulidade do que fora decidido pelo TCU, questionando:

– que o Tribunal de Contas da União teria determinado a indisponibilidade de seus bens sem a observância do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório, uma vez que jamais teriam sido citados ou intimados para se defenderem ou prestarem qualquer esclarecimento.

– que o Tribunal de Contas teria determinado a indisponibilidade de seus bens sem observância dos requisitos legais da Lei 8.443/92, bem como, sem individualização “da medida restritiva de direito à propriedade em relação a cada um dos envolvidos, razão pela qual a decisão do TCU é defeituosa, incompleta e genérica.

EBEJI

3. O que entendeu o STF?

O que se discute, ao final, é se o TCU agiu de forma ilegal ou com abuso de poder ao decretar a indisponibilidade dos bens dos representados.

Assim, o STF disse:

a. O TCU tem poder geral de cautela.

(…) vale destacar que a jurisprudência desta Corte reconhece assistir ao Tribunal de Contas um poder geral de cautela, que se consubstancia em uma prerrogativa institucional decorrente das próprias atribuições que a Constituição expressamente outorgou à Corte de Contas para o seu adequado funcionamento e o alcance de suas finalidades.” Julgado referência: do MS 24.510/DF, Plenário, Rel. Min. ELLEN GRACIE, DJ, 19.03.2004.

b. A tutela cautelar é instrumento processual necessário e compatível com o sistema de controle externo.

“(…) a tutela cautelar apresenta-se como instrumento processual necessário e compatível com o sistema de controle externo, em cuja concretização o Tribunal de Contas desempenha, como protagonista autônomo, um dos mais relevantes papéis constitucionais deferidos aos órgãos e às instituições estatais”. Esse entendimento tem sido reafirmado por esta Corte em reiteradas decisões que envolvem, em maior ou menor medida, a discussão cautelar e meritória da abrangência do poder geral de cautela do TCU, a saber: MS 23.983, Rel. Min. Eros Grau, DJ 30.08.2004; MS 26.263 MC/DF, proferida pela Ministra Ellen Gracie no exercício da Presidência do STF (RISTF, art. 13, VIII), DJ 02.02.2007; MS 25481 AgR/DF, Rel. Min. Dias Toffoli, 1ª Turma, DJe 25.10.2011).”

c. É possível, ainda que de forma excepcional, a concessão, sem audiência da parte contrária, de medidas cautelares, por deliberação fundamentada do Tribunal de Contas.

“Também se colhe da jurisprudência do STF o entendimento de que é possível, ainda que de forma excepcional, a concessão, sem audiência da parte contrária, de medidas cautelares, por deliberação fundamentada do Tribunal de Contas (…). E que tal situação não viola, por si só, o devido processo legal. É o que asseverou o Ministro Celso de Mello, por exemplo, ao indeferir medida liminar no MS 26.547/DF, (DJ 29.05.2007)”

Perceba que, assim, o STF entende que o TCU, ao decretar a indisponibilidade dos bens, mesmo sem oitiva da parte prejudicada, não viola o devido processual legal. Contudo, determina as situações em que isso pode ocorrer:

– sempre que necessária à neutralização imediata de situações de lesividade ao interesse público; ou

– sempre que necessária à garantia da utilidade prática de processo que tramita no TCU.

d. A indisponibilidade decretada pelo TCU tem base legal e regimental.

O TCU dispõe de autorização legal expressa (art. 44, § 2º, da Lei 8.443/92) para decretação cautelar de indisponibilidade de bens, o que também encontra previsão em seu regimento interno (arts. 273, 274) –inclusive sem a oitiva da parte contrária quando necessário (art. 276, RITCU).

Lei 8.443/92 (Lei Orgânica do TCU)

Art. 44. No início ou no curso de qualquer apuração, o Tribunal, de ofício ou a requerimento do Ministério Público, determinará, cautelarmente, o afastamento temporário do responsável, se existirem indícios suficientes de que, prosseguindo no exercício de suas funções, possa retardar ou dificultar a realização de auditoria ou inspeção, causar novos danos ao Erário ou inviabilizar o seu ressarcimento.

Nas mesmas circunstâncias do caput deste artigo e do parágrafo anterior,poderá o Tribunal, sem prejuízo das medidas previstas nos arts. 60 e 61 desta Lei, decretar, por prazo não superior a um ano, a indisponibilidade de bens do responsável, tantos quantos considerados bastantes para garantir o ressarcimento dos danos em apuração.

EBEJI

4. Conclusão.

Assim, é tranquila, na jurisprudência do STF, a possibilidade de decretação de indisponibilidade de bens pelo TCU, por um ano, mesmo sem oitiva da parte prejudicada sempre em decisão fundamentadaquando necessária à paralisação imediata de situação que possa causar lesão ao interesse público ou para garantir a utilidade prática de processo que tramita na Corte de Contas.

Grande abraço,

Ubirajara Casado

 twitter: @uscasado

► Texto inicialmente publicado no BLOG da Ebeji Concursos

Livro do Professor

Para um estudo comentado das Súmulas da AGU, divididas por disciplina jurídica, análise de jurisprudência aplicável ao verbete e correlação com o pensamento de outros órgãos como, por exemplo, o TCU, você tem a disposição o livro “Súmulas da AGU: Organizadas por assunto, anotadas e comentadas” da Editora Juspodium.

A obra está em pré-venda e pode ser adquirida com preço promocional.

Você pode encontrar o livro no site da editora clicando aqui ou na imagem logo abaixo.

sumula agu

Curtiu esse Artigo? COmpartilhe!

Compartilhar no facebook
Compartilhe no Facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhe no Twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhe no LinkedIn
Compartilhar no pinterest
Compartilhe no Pinterest

Deixe Seu Comentário!

Publicidade
Últimos Posts
Publicidade

Assine nossa Newslatter